BLOG

Quem disse que uma criação rígida gera crianças mais educadas?

“Era só meu pai olhar que a gente já sabia o que fazer”. Essa é uma frase normalmente dita por quem defende que uma criação rígida gera crianças mais educadas. Mas quem disse que isso é verdade? Excesso de firmeza é sinônimo de boa educação? 

Segundo a Disciplina Positiva, o excesso de firmeza dos pais não torna a criança mais obediente e educada, e sim, mais amedrontada e passiva diante dos desafios do dia a dia. 

Sabe aquela pessoa que não sabe dizer não? Que aceita o que vier pela frente no casamento, no círculo de amizades ou no trabalho porque não tem coragem de reclamar? É bem provável que ela tenha sofrido com uma criação rígida na infância, sem espaço para dizer o que sentia ou o que queria. 

Na outra ponta dessa história está aquele jovem/ adulto que, por não ter tido a oportunidade de se expressar como gostaria quando criança, por raramente ter tido seus desejos atendidos, torna-se um eterno revoltado, de convivência difícil, contra tudo e todos que entram no seu caminho. 

Mas e o excesso de gentileza? Ele é bom?

Também não. Quando por falta de tempo, culpa ou por despreparo mesmo, os pais atendem a todas as vontades da criança, ou não a orientam quanto às consequências lógicas de suas escolhas, eles acabam criando uma criança insensível, petulante e acomodada, que só se importa consigo mesma.    

O gráfico abaixo foi inspirado no conteúdo apresentado pela Especialista Americana em Disciplina Positiva, Suzanne Smitha, no Workshop Disciplina Positiva na Sala de Aula, do Teaching Fellows Institute

Uma criação rígida gera crianças mais educadas

Nele, a seta na vertical indica a quantidade de gentileza. Quanto mais para cima, mais gentileza. A seta na horizontal indica a firmeza. Quanto mais para a direita, mais firmeza. 

A Suzanne explica em sua aula que gentileza não se resume a ser legal com a criança. Gentileza é conexão, é respeito pelos sentimentos e necessidades dela.

Na mesma linha de pensamento, firmeza não é ser rude.

Firmeza é correção, é orientação quanto ao respeito pelas necessidades (do adulto) e pelas necessidades do momento.

Supondo que a criança queira algo que você não possa dar a ela/ fazer por ela, ou que não seja possível naquele instante. É preciso ter firmeza para saber dizer não e para conduzir a criança quanto ao que é certo. Mas, com gentileza para não perder a conexão com ela é e com o que está por trás do comportamento inadequado dela (a explosão emocional que leva a uma crise de birra, por exemplo).

Aliás, você pode conferir o que a nossa Especialista Elisama Santos, do Curso Educando com Disciplina Positiva, fala sobre a raiva da criança neste vídeo:

Voltando ao nosso gráfico, o quadrado superior esquerdo mostra o que acontece com a criança quando há muita gentileza, mas pouca ou nenhuma firmeza na relação de seus pais com ela. Ou seja, até há muito respeito dos pais pela criança. Mas eles não respeitam a si mesmos ou as circunstâncias.

Esses são pais extremamente amáveis, mas podem se tornar totalmente permissivos ao fazerem com que o mundo gire em torno da criança, não permitindo nem mesmo que ela se frustre com os pequenos percalços do cotidiano, para não sofrer. 

A tendência da criança educada com excesso de gentileza é se tornar mimada, egoísta, arrogante, desinteressada e irresponsável. 

Já o quadrado inferior direito mostra a situação da criança educada por pais firmes demais, porém gentis de menos.

São os pais autoritários, que não costumam manifestar empatia pela criança, não se colocando no lugar dela. Eles acreditam que “criança não tem querer”. E não raro soltam um “porque eu sou sua mãe”/ “porque eu sou seu pai” quando a criança questiona algo dentro de casa.

Esses pais pregam, entre outras coisas, que a criação rígida deles é o que tornará o filho mais educado. Por isso, querem que ele ande sempre na linha, não aceitam o erro e são duros na correção

Os Pais Autoritários costumam exigir mais da criança do que aquilo que ela pode oferecer para a sua idade – e sua maturidade cerebral

Sufocada pela cobrança e controle deles, o mais provável é que ela se torne ansiosa, crítica, assustada, dependente e submissa. Ou agressiva

Já no quadrado inferior esquerdo temos as características do filho de pais negligentes: aqueles que não são gentis, não manifestam seu respeito e carinho pela criança e também não exigem nada dela. Eles não a corrigem. Na verdade, dão pouca atenção ou não se importam com ela. 

Os Pais Negligentes atendem apenas às necessidades básicas da criança e no mais “deixam levar”, conforme a conveniência deles.    

O resultado é que essa criança desde muito cedo poderá já se tornar desconfiada, insegura, confusa, fraca e depressiva. Além disso, os traumas causados por esse abandono poderão acompanhá-la por toda a vida. 

Finalmente, no quadrado superior direito, a seta na diagonal representa a Disciplina Positiva, que é o equilíbrio entre a gentileza e a firmeza.

A Disciplina Positiva é a forma de educar dos pais que criam Conexão antes da Correção. Isso sim dá resultado, afinal, quando nos sentimos conectados a alguém, é muito mais fácil nos interessarmos pelo que essa pessoa tem a dizer.

Esses pais conduzem a educação da criança por um caminho de respeito por si mesma, por eles e pelas outras pessoas ao redor dela.

Eles estipulam as regras, mas permitem que a criança opine de forma democrática. E não diminuem a criança quando ela erra, mas a encorajam a encontrar a melhor saída. 

Os Pais Conscientes sabem a hora de corrigir, e também a de manifestar todo o amor que eles têm pela criança. 

Um ponto importante a se lembrar é quando há divergência entre os pais sobre a forma de educar o filho.

Nestes casos, normalmente cada lado acha que a sua forma de educar é a melhor e que a do outro é a que vai acabar estragando a criança.

E aí aquele(a) pai/mãe mais firme, para compensar a falta de rigidez do outro, acaba se tornando autoritário(a). E o outro, mais gentil, torna-se permissivo(a) com a criança por temer que toda aquela firmeza possa comprometer o desenvolvimento dela.

O maior perigo quando os pais discordam entre si é termos dois adultos querendo o melhor pela mesma pessoa, porém afastados um do outro por conta dela.

Além disso, em quem essa criança vai se espelhar para saber como agir diante de uma dificuldade?

Esses pais precisam se entender. E estudar para ser mãe e para ser pai, sem dúvida, vai ajudá-los nessa que é a missão mais importante da vida deles.

Mas voltando à pergunta do início do nosso artigo: uma criação rígida gera crianças mais educadas?

Não, não gera. Já uma ma criança criada de forma sadia, por Pais Conscientes, tem muito mais chance de se tornar mais segura de si, mais otimista, responsável, autônoma e muito, muito mais educada

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn