Blog

Como agir com a criança que morde

As mordidas podem se tornar dor de cabeça para os pais. Mas, você sabia que criança morde por diversos motivos. Então, como agir com a criança que morde?

Por Danielly Magioni

Como agir com a criança que morde

A fase das mordidas pode se tornar uma dor de cabeça, principalmente quando é a sua criança a causadora, não é mesmo? E, por outro lado, também não é nada fácil ver o filho sendo vítima de uma. Mas, para descomplicar um pouco o assunto, vamos falar sobre o que pode estar por trás desse comportamento e como agir com a criança que morde.

Para começar, tenha em mente que morder ou ser mordido é algo que pode acontecer, principalmente até os 2 anos. E essa “fase” pode durar até os 4 ou 5 anos de idade. Porém, se continuar além após essa idade, vale investigar o que está acontecendo.

“Primeiro, a gente precisa entender o que causa essa mordida. Entender a idade que a criança tem. Depois, é importante entender qual o motivo da mordida. É porque ela está entusiasmada? Entediada? Com raiva? Porque a gente tem a tendência de olhar o mau comportamento como algo isolado, mas ele existe dentro de um contexto. Qual é o contexto em que essa mordida está inserida?”, explica Elisama Santos.

Ela é autora do curso Educando com Disciplina Positiva (clique aqui), do MundoemCores.com. E, quem também fala sobre o assunto é Tamira Viana, no curso Entendendo o Comportamento da Criança (clique aqui). Ela, inclusive, preparou uma aula exclusiva sobre esse tema. Por isso, reunimos dicas das duas aqui neste texto:

Por que a criança morde?

Fase Oral

Até por volta dos 18 meses/2 anos, a criança se encontra na fase oral. Ou seja, nesse período ela buscará entender e reconhecer o mundo que está à sua volta por meio da boca. Por isso, nessa fase é normal que os pequenos levem tudo à boca e, nesse contexto, também podem acontecer as mordidas.

Nascimento dos dentes

Outra fase que pode levar o bebê a morder é a do nascimento dos dentinhos. Sim, porque a gengiva costuma coçar e eles mordem para aliviar esse desconforto.

Para demonstrar afeto

E, acredite, a crianças podem morder para demonstrar afeto! Sabe quando nós, adultos, olhamos para aquele bebê e temos vontade de morder? Pois é, acontece o mesmo com nossos filhos. Só que, como eles não conseguem se conter, acabam mordendo.

Para resolver conflitos

Além disso, algumas crianças utilizam das mordidas para resolver os próprios conflitos, durante as crises de raiva, por exemplo. Ou seja, numa disputa por brinquedo, por lugar ao balanço e até mesmo para manifestar algo que não vai bem. 

Por não conseguir se expressar

Outra razão bem comum para as mordidas é o fato de as crianças pequenas não conseguirem se comunicar direito. Como elas não sabem conversar e expressar o que estão sentindo, então podem morder para demonstrar isso. 

Para chamar atenção

Essa também é uma das razões que podem levar o seu filho a morder: chamar a sua atenção. Isso porque, devido à correria diária, muitos pais não conseguem dedicar algum momento para estar com a criança por inteiro. Sendo assim, ela recorre a medidas extremas para conseguir essa atenção, seja mordendo, batendo etc.

Quem fala sobre isso é a Isa Minatel, autora dos cursos Montessori em Casa (clique aqui) e Temperamentos da Criança ao Adulto (clique aqui). Ela costuma alertar aos adultos que, para seus filhos, “atenção negativa ainda é atenção”. Pense nisso!

Por fome, sono, cansaço

É, gente, a criança pode morder porque está com fome, cansada, com sono e até mesmo sob excesso de estímulos, por exemplo. Por isso, vale avaliar as condições do seu filho no momento da mordida. Porque ele pode estar querendo demonstrar que algo não vai bem.

Como agir com a criança morde?

Além da aula exclusiva no curso Entendendo o Comportamento da Criança, em nosso programa, o Fralda Justa, temos um episódio inteiro sobre a mordida. E ele está disponível para os assinantes da nossa plataforma. 

Mas, em resumo, o que pode ser feito é prevenir a mordida, redirecionando a criança; ensinar seu filho a ajudar quem foi mordido; ajudá-lo a entender e nomear os sentimentos; explicar que o que ele fez não foi legal; e dar alternativas para o comportamento. Veja só:

Fase Oral e nascimento dos dentes

Por exemplo, se seu bebê está na fase oral, dê a ele algo que possa morder. Explique que não podemos morder as pessoas e ofereça um brinquedo para isso.

Para a criança que morde por afeto

Essa é a dica da nossa especialista Elisama Santos: se a sua criança for dessas que morde para demonstrar afeto, na hora em que ela for morder, você diz “Beijinho, meu amor, beijinho”. Ela fazia isso com a própria filha, quando menorzinha, e funcionava! A pequena ia e beijava, em lugar de morder.

Quando morde motivada pela raiva

Essa mordida está inserida na hora em que a criança está com raiva? “Uma mãe me falou que depois que ela deu uma toalhinha para menina morder, acabou a mordida dentro de casa”, conta Elisama Santos.

Dessa maneira, ofereça recursos para seu filho lidar com aquele sentimento. Aqui no blog temos um texto com o título “Como lidar com a raiva da criança?” (clique aqui), que dá algumas dicas de como agir.

Faça um cartaz

Criança é muito visual, não é verdade? Então, que tal preparar um cartaz para que ela entenda o que pode fazer com a boca? Cantar, beijar, falar, comer… Isso vai ajudar, principalmente, as menores.

Deixe que vivencie as consequências

Se você foi mordido pelo seu filho, diga que doeu, use expressões para isso, e se afaste. Caso ele tenha mordido um amigo e tenha recebido uma mordida em troca, explique que essa pode ser a consequência de quem morde.

Mesmo que a criança ainda não tenha a capacidade de se colocar no lugar do outro, vale conversar sobre isso. Diga que a mordida deixa marca, que dói, que deixa a pessoa triste e que o amigo pode não querer mais brincar com ela.

Além disso, oriente seu filho para que pergunte ao amigo o que pode fazer para ajudá-lo a aliviar a dor. Ele pode, por exemplo, se oferecer para pegar gelo e colocar no local da mordida. Também pode se oferecer para pegar uma água e acalmar o colega etc.

Dê o exemplo

Outra dica importante é: evite morder seu filho, mesmo que seja por brincadeira. E evite, principalmente, morder a criança de volta quando ela te morder. Lembre-se de que você é o modelo, é o exemplo que ela vai seguir!

Converse e ofereça recursos para lidar com os sentimentos

Também converse com a criança sobre as emoções que a levaram a morder. E oriente, dependendo da idade, sobre o que ela pode fazer quando esses sentimentos aflorarem novamente.

Ah, e nem precisamos dizer que bater no seu filho, gritar com ele ou colocá-lo de castigo não vão ajudar! Além de quebrar o vínculo entre mãe/pai e filho, você mostra que é com violência e isolamento que se resolvem os problemas. Para saber mais sobre as consequências disso, leia o texto “Criança precisa apanhar?” (clique aqui) aqui do nosso blog.

Da mesma forma, se a sua criança foi mordida, ensine-a a dizer que não gostou. Oriente que procure o adulto responsável e, jamais, diga que deve morder de volta. 

E, para finalizar, se seu filho morde demais, talvez seja o caso de procurar a orientação de um psicólogo. Afinal, é melhor tirar a dúvida de que algo possa estar acontecendo, não é verdade?

Você também pode se interessar por:

  • Criança que acorda à noite

  • Os benefícios da amamentação

  • Ser canhoto ou destro interfere no desenvolvimento da criança?

  • Nem todo elogio é benéfico

    Como elogiar a criança do jeito certo?

Saiba como os cursos do MundoemCores.com
mudaram vidas de famílias como a sua!

  • “Muito obrigada por vocês terem trazido tudo isso pra minha família”

    Flaviane finalizou o curso Montessori em Casa e começou a assistir às aulas do Educando com Disciplina Positiva. Ela conta como sua vida mudou após aplicar o que aprendeu nos vídeos.

    Flaviane Cintia de Avila Dutra

  • “Eu vi que é possível estruturar a casa para receber os filhos com o respeito que merecem”

    Greicy conheceu o curso quando buscava conhecimento para apresentar às seguidoras da sua fanpage, Mães no Comando, e revela que acabou mudando a sua forma de pensar. Ela disse já observar a transformação de suas filhas, depois da sua própria transformação.

    Greiciely Magno

  • “Trabalho com o Método Montessoriano e vejo como ele facilita o aprendizado da criança”

    Valéria é Orientadora Pedagógica de São Luiz do Maranhão e encontrou no curso Montessori em Casa uma forma de aumentar seu conhecimento sobre essa filosofia e se preparar ainda mais para transmitir seus ensinamentos às crianças com quem trabalha.

    Valéria Ferreira Santos

Siga nas redes sociais

FACEBOOK
INSTAGRAM
YOUTUBE