Blog

Os benefícios das tarefas domésticas para crianças

Saiba quais são as tarefas domésticas para crianças e, além disso, quais atividades elas podem fazer de acordo com cada idade

Por Danielly Magioni

Tarefas domésticas para crianças

Você está lavando a louça e lá vem o seu filho querendo “entrar na brincadeira”. Só que, pensando na bagunça que ele fará ou no pouco tempo que você tem, a sua primeira atitude é dizer não. Mas, está na hora de rever isso! Neste texto, vamos mostrar porque você deve inserir a sua criança nessas atividades e quais são as tarefas domésticas para cada idade.

Por exemplo, algumas pesquisas corroboram os benefícios dessas atividades. Uma delas, da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, revelou que os adultos que ajudam nos afazeres domésticos quando crianças têm, portanto, mais chances de serem bem-sucedidos. 

Esse resultado faz parte de um estudo sobre a felicidade humana feito há 75 anos pela instituição. Além disso, uma pesquisa da Universidade de Los Angeles, no mesmo país, apontou outras vantagens para a criança também a longo prazo.

Em resumo, os pesquisadores chegaram à conclusão de que 50% dos jovens que ajudavam em casa concluíram a graduação e 56% revelaram não fazer uso de drogas. Ou seja, esses dados já demonstram o quão importante são atitudes como arrumar a própria cama ou lavar a louça, por exemplo.

Ajudar nas tarefas domésticas estimula a autonomia

Não são apenas a longo prazo que surgem os benefícios para as crianças que ajudam nos afazeres domésticos. Isso porque, desde cedo, elas desenvolvem características como a autonomia. E um estudo realizado na Universidade de Montreal, no Canadá, mostrou, por exemplo, que quando os pais dão autonomia há um impacto positivo na função executiva, um dos pilares do desenvolvimento cognitivo.

Ou seja, promove uma melhora na memória de trabalho, no raciocínio, na capacidade de resolução de problemas e flexibilidade de tarefas, além da capacidade de planejamento e execução de atividades. Sendo assim, tudo isso deve ser trabalhado desde muito cedo com a criança, como explica a especialista do MundoemCores.com Tamira Viana, autora do curso Entendendo o Comportamento da Criança (clique aqui).

“Dos 2 aos 3 anos, a criança está em busca de independência e autonomia. Então, a forma como os pais conduzem essa busca possibilitará senso de autonomia ou de vergonha e dúvida. Por exemplo, se os pais permitem uma exploração segura e orientam de maneira firme e gentil, possibilitam o desenvolvimento da autonomia. Mas, se usam de punição, isolamento, broncas podem ajudar a desenvolver um senso de vergonha ou dúvida, extremamente tóxicos e prejudiciais para a autoestima e autoconfiança”, alerta.

Para Tamira, a melhor forma de nutrir o senso de autonomia é, portanto, dar liberdade com limites claros e seguros. “Dar liberdade para escolhas limitadas, permitir a exploração dentro de casa, ao andar nas ruas sem pressa, permitir que treine habilidades, mesmo que não consiga de imediato, usar muito de distração e redirecionamento e confiar que tudo isso faz parte de um desenvolvimento saudável”, orienta.

Crianças estão ajudando menos nas tarefas domésticas

Contudo, apesar de todos os benefícios, as crianças têm ajudado cada vez menos nas tarefas domésticas. Isso acontece, principalmente porque elas estão tão sobrecarregadas com atividades extracurriculares que têm sido liberadas de ajudar em casa. Essa foi a conclusão de pesquisas realizadas, por exemplo, no Reino Unido e nos Estados Unidos. 

Como resultado, esses estudos revelaram que 3 em cada 4 crianças não realizam qualquer tarefa doméstica. No Reino Unido, por exemplo, a agência Mintel, de pesquisa de mercado, conversou com 2 mil pais e descobriu que 76% das crianças e adolescentes britânicos, entre 6 e 17 anos, não ajudam. Enquanto que nos Estados Unidos, o percentual foi de 72%, num universo de mil pais, segundo a Whirpool.

Provavelmente, segundo a especialista em desenvolvimento infantil norte-americana Deborah Gilboa, isso acontece porque os pais de valorizam mais as realizações dos filhos do que a formação do caráter. Por isso, preferem que façam atividades que, ao seu ver, vão ser mais importantes para o futuro profissional.

O mesmo acontece no Brasil

Mas, se você pensa que isso é uma tendência apenas naqueles países, engana-se. A psicóloga do Centro de Referência da Infância e Adolescência (Cria), da Unifesp, Vera Zimmermann, ouvida pela Revista Crescer, acredita que esse comportamento está ainda mais enraizado no Brasil.

Isso porque, para ela, a maior parte dos brasileiros de classe média acredita que o trabalho braçal seja inferior. E, como o trabalho doméstico não tem o devido valor, esses pais pensam que a criança está deixando de aprender algo lá fora enquanto ajuda em casa.

Além disso, ela ressalta, ainda, que as tarefas domésticas têm papel fundamental no desenvolvimento da criança e do adolescente. Não apenas pelos exercícios motores e perceptivos, como também pelos emocionais, uma vez que essas atividades fazem com que eles se sintam úteis e valorizados no ambiente familiar.

Como resultado, ajudar em casa estimula a autoestima, a independência e a formação de um cidadão capaz de se situar em uma rede onde as pessoas fazem coisas pelas outras. (clique aqui para saber mais sobre os benefícios do estímulo à autonomia).

Estimule a criança a participar das tarefas domésticas desde cedo

Portanto, você já sabe que, a partir dos 2 anos, seu filho está em busca de independência e autonomia. Sendo assim, é uma excelente fase para iniciá-lo nas tarefas domésticas. Pode ser, por exemplo, guardar os brinquedos (o que pode ser iniciado bem antes dos 2 anos) e, aos poucos, ir oferecendo mais atividades.

Mas, é preciso ter em mente que você vai guardar mais brinquedos do ele. Da mesma forma, também não é bom exigir demais do pequeno. Porque o exercício vale mais para plantar a semente da autonomia e da participação. E se, por outro lado, você impuser num momento em que seu filho não queira fazer, poderá mais prejudicá-lo do que ajudá-lo. 

Por isso, uma dica é usar a criatividade e propor desafios, o que pode ser de grande ajuda para quando ele não estiver muito disposto: “Quantos brinquedos você consegue guardar em cinco minutos?”. Essa vale, principalmente, para aquelas crianças que não foram ensinadas a ajudar desde cedo. Dessa forma, começar isso aos 5, 6 anos pode ser mais complicado.

Além disso, desde muito cedo a criança pode ajudar no preparo de alimentos. Por exemplo, aos 2 anos ela já pode cortar uma banana com uma faca sem lâmina ou fazer alguma tarefa doméstica mais simples. Em seguida, você pode criar um quadro de atividades diárias. 

Tarefas domésticas segundo Montessori

Certamente, falar em autonomia, em tarefas domésticas, é falar na médica, educadora e pedagoga Maria Montessori (1870-1952). Isso porque, para ela, Montessori não é brincar de casinha. É, por outro lado, a prática real. 

Por isso, Maria Montessori falava sobre as atividades de vida prática, como os afazeres domésticos, e os seus benefícios: concentração, autonomia, coordenação, sentido de ordem, preparação para a escrita, respeito, desenvolvimento da mente matemática, cuidar de si mesma, consciência ambiental e introdução à ciência.

“Praticar vida prática é, em resumo, estar pronto para convidar a criança para trabalhar e agir na vida real em seu ambiente e com as pessoas ao seu redor. Ou seja, tem a ver com o cuidado da própria pessoa, seu espaço, com as boas maneiras e as regras sociais”, explica Isa Minatel, no curso Montessori em Casa (clique aqui).

Outro benefício apontado por Isa Minatel é que as crianças que colaboram na preparação da própria comida ficam, por exemplo, mais dispostas a provar mais alimentos e a valorizar uma dieta variada e saudável. “Elas aprendem, portanto, que têm o poder de se alimentar de maneira deliciosa e saudável”, destaca.

Quais as tarefas domésticas para cada idade da criança?

Veja só uma sugestão de afazeres domésticos que a sua criança pode fazer de acordo com a idade. É claro que isso pode variar de acordo com cada família, mas é sempre bom pensar em ir aumentando o grau de dificuldade na medida em que seu filho adquire tal habilidade.

De 2 a 3 anos:

Guardar os brinquedos

Colocar os livros em seu lugar

Colocar a roupa suja para lavar

Dobrar pequenas peças de roupa

Buscar fraldas

Colocar a mesa

Jogar o lixo no cesto

Limpar o pó do chão e superfícies ao seu alcance

De 4 a 5 anos:

Alimentar os animais de estimação

Limpar sujeira derramada no chão ou outras superfícies

Recolher brinquedos

Preparar a cama

Limpar o quarto

Regar plantas

Limpar e ordenar os talheres

Preparar pequenos aperitivos

Usar o aspirador de mão

Recolher a mesa da cozinha

Limpar e guardar os pratos

Limpar maçanetas das portas

De 6 a 7 anos:

Recolher o lixo

Dobrar toalhas

Limpar o chão com a vassoura

Esvaziar a lava-louça

Juntar os pares de meias limpos

Cuidar do jardim

Recolher folhas secas

Descascar batatas e cenouras

Fazer uma salada

Mudar o rolo de papel higiênico do banheiro

De 8 a 9 anos:

Encher a lava-louças

Trocar lâmpadas

Colocar a lavadora de roupas

Dobrar e pendurar a roupa limpa

Limpar o pó dos móveis

Fazer ovos mexidos

Guardar a roupa no armário

Fazer pequenos pratos na cozinha. Como, por exemplo, um bolo

Passear com o cachorro

Passar a vassoura na casa

Limpar a mesa

De 10 a 11 anos:

Limpar o banheiro

Passar aspirador no tapete

Limpar a mesa da cozinha

Limpar a cozinha

Preparar uma comida simples

Cortar a grama

Costurar pequenas coisas

Limpar a garagem

Pegar as cartas do correio

A partir dos 12 anos:

Lavar ou limpar o chão

Mudar lâmpadas do teto

Aspirar e lavar o carro

Podar as árvores

Pintar paredes

Comprar comida com uma lista

Cozinhar uma comida completa

Fazer um bolo ou uma torta

Fazer pequenos reparos em casa

Limpar os cristais

Passar roupas

Cuidar dos irmãos menores

Dinheiro e elogios

Provavelmente, ao final da atividade, você pode pensar em recompensar a criança, como, por exemplo, oferecendo dinheiro. Mas, repense!

Isso porque ela deve ter, como recompensa, o prazer de ter concluído a tarefa, de ter participado da vida familiar, e não o dinheiro. Ou seja, o objetivo deve ser a satisfação pessoal. Ou você, por acaso, recebe algo após lavar uma pia cheia de louças?

Mas, você pode, sim, agradecer a seu filho por ter contribuído para o funcionamento da casa. Da mesma forma, nada de criticar o trabalho feito, ok? Ao contrário, incentive, sempre, e use da criatividade, com dissemos acima.

Por exemplo, crie pequenos jogos, como quem dobra a roupa mais rápido ou quem termina de guardar os brinquedos primeiro, aumente o som e dance um pouco na hora de arrumar a casa… use a imaginação!

Ah, outro ponto importante: meninos e meninas devem participar das tarefas domésticas igualmente. Assim, eles aprendem que todos têm as mesmas responsabilidades dentro de casa e, certamente, vão crescer muito mais autônomos.

Em resumo, envolva a criança, desde cedo, nas tarefas domésticas. Mostre que cada um dentro da casa tem o seu papel para que a convivência flua de maneira positiva. Sendo assim, defina que quem suja limpa; quem espalha, guarda; quem desarruma, organiza. 

Porque, veja, não adianta afastar seu filho quando criança das tarefas domésticas e, depois, quando adolescente, querer que ele as faça por livre e espontânea vontade. É, portanto, desde cedo que se aprende. Pense nisso!

Você também pode se interessar por:

  • O lado bom dos videogames

  • Meu filho precisa usar óculos. O que fazer?

  • Dica de leitura para pais

  • Criança precisa apanhar?

Saiba como os cursos do MundoemCores.com
mudaram vidas de famílias como a sua!

  • “O curso nos fez entender como estimular a autonomia e a independência da nossa filha”

    Emanuelle e o marido passaram a entender aspectos de sua própria educação e a saber como, agora, agir com sua filha com objetivo de ajudá-la a se desenvolver. Ela afirma que os exemplos dados nas aulas facilitaram muito a colocar em prática tudo que foi aprendido.

    Emanuelle Rech

  • “Você se prepara pra tudo na vida. Pra ser mãe, você não se prepara!”

    Carolina buscava orientação para dar uma melhor educação à filha Maria Clara. Viu no evento presencial realizado pelo MundoemCores.com, em Maceió/AL, uma forma diferente de lidar com a personalidade da sua filha.

    Carolina Lira

  • “Pude começar a entender que quem tinha que mudar era eu”

    Sandra conheceu o MundoemCores.com por meio da escola do filho Enzo e começou a entender os sinais que ele apresentava. Entendeu que precisava mudar seu comportamento e hoje tem uma relação muito melhor com seu filho.

    Sandra Teixeira

Siga nas redes sociais

FACEBOOK
INSTAGRAM
YOUTUBE